Avançar para o conteúdo

Receita da Stihl Brasil apresenta alta de 24%

  • por

Companhia registrou vendas de R$ 2,9 bilhões em 2021

A produção também apresentou expressivo crescimento de 32%

A Stihl Brasil registrou R$ 2,9 bilhões de faturamento em 2021, o que representa 24% de crescimento em relação ao ano anterior, mesmo com desafios do mercado, tais como a falta de componentes e desabastecimento enfrentado por muitos setores, o que foi determinante para os resultados não terem sido ainda maiores. A exportação representa grande parte desse crescimento, reforçando a importância expressiva do comércio internacional com mais de 70 países nos negócios da companhia.

A produção da empresa aumentou, como um todo, em 32%. Atualmente, a empresa possui um quadro de 3,5 mil profissionais, número alcançado graças ao aumento de 22,5% nas contratações em 2021, em comparação a 2020. Neste ano, a previsão é de lançamento de mais 10 novos produtos ao mercado nacional, sendo quatro destes já no mês de fevereiro.

“Atingimos resultados de excelência em meio a um cenário complexo, com relevantes desafios para a cadeia produtiva. Em 2021, conseguimos bater a marca histórica de 1 milhão de máquinas e 10 milhões de cilindros produzidos em um ano na fábrica brasileira. Todos os números só tornaram-se realidade pela dedicação e capacitação dos nossos colaboradores e também pelo incessante investimento para modernização, ampliação e desenvolvimento da nossa estrutura”, relata Cláudio Guenther, presidente da Stihl.

Para este ano, a empresa seguirá com a aplicação de recursos com foco na otimização dos processos, gerando condições para atingir conquistas ainda mais positivas. Para isso, Guenther ressalta a confiança da matriz alemã na gestão realizada na unidade brasileira e destaca os principais movimentos previstos: “Iremos inaugurar o terceiro Centro de Distribuição (CD), localizado na cidade de Benevides (PA), em setembro, que irá atender estrategicamente as regiões Norte e Nordeste, com o objetivo de reduzir o tempo de entrega de produtos e superar desafios logísticos, consequentemente, aumentando a qualidade do atendimento aos nossos clientes”, projeta Guenther. “Ainda com foco na melhoria das operações logísticas, o primeiro CD da empresa, localizado dentro da fábrica de São Leopoldo (RS), também será ampliado. Além disso, também investiremos em tecnologia e novas máquinas para aumentarmos em cerca de 30% a capacidade produtiva da STIHL”, complementa.

Esses esforços visam minimizar também os impactos como eventuais novas paradas nas indústrias chinesas de componentes, o considerável aumento de preços nos fretes aéreos e até mesmo a falta de contêineres. A Stihl também irá finalizar no segundo trimestre de 2022, as obras dos novos prédios da ferramentaria e do vestiário.

Quer saber mais sobre empresas do Sul?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Companhia registrou vendas de R$ 2,9 bilhões em 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.