Avançar para o conteúdo

DMG adquire 35% das ações da startup catarinense Vale Automação

  • por

Negociação entre a holding de Caxias do Sul e a empresa foi de R$ 8 milhões, com a possibilidade de novo aporte para compra no período de dois anos

A mais nova integrante da DMG deve incrementar em torno de R$ 110 milhões em faturamento nos próximos dois anos

A holding DMG, de Caxias do Sul (RS), adquiriu 35% das ações da Vale Automação Industrial, startup sediada em Blumenau (SC), em uma negociação de R$ 8 milhões. O contrato ainda permite que a DMG participe de nova rodada de aporte para a compra de mais 16% das ações, no período de dois anos, tornando-se, assim, a sócia majoritária. A startup, avaliada em R$ 25 milhões e com 55 funcionários, atua no atendimento a fabricantes de máquinas de automação, montadores de painéis, integradores de sistemas e indústrias em geral, tanto na distribuição de materiais elétricos quanto na execução de projetos na modalidade Turn key. A Vale Automação Industrial tem forte abrangência no mercado nacional e, desde 2017, é fornecedora dos produtos Schneider Electric e Phoenix Contact, líderes mundiais no setor elétrico que combina as melhores tecnologias internacionais em energia, automação, softwares e serviços em soluções integradas seguras, eficientes, sustentáveis e conectadas.

Com a chegada do 5G – a quinta geração de internet móvel e banda larga que promete revolucionar a conectividade em diferentes áreas – e a necessidade de expansão no mercado, a holding DMG percebeu a oportunidade. “A automação vai alcançar grande impulso no futuro. A expertise da Vale, em parceria com a Schneider Electric, confere a formatação de uma rede de distribuidores sólida e a possibilidade de habilitar seus clientes e fornecedores à Indústria 4.0. Certamente, vamos aprender com essa troca de experiências comerciais, aproximando-nos de outras regiões do país e viabilizando a sinergia operacional entre as empresas envolvidas”, frisa Ricardo Nunes, representante da DMG e diretor comercial da M.A Soluções em Tecnologia, uma das empresas do grupo. De acordo com ele, nessa fase inicial a holding vai estruturar um Conselho de Administração com a finalidade de definir estratégias e acompanhar a gestão corporativa. “Não vamos interferir ou proporcionar mudanças abruptas, o foco consiste em desenvolver planos pautados no crescimento conjunto”, explica Nunes.

As trocas estratégicas não devem se limitar ao incremento do portfólio de produtos, aumento do faturamento anual ou atuação em regiões até então pouco exploradas. Elas evidenciam ainda a oportunidade de compreender outras referências e culturas corporativas. Um dos maiores players do segmento elétrico, a Schneider Electric também cumpre papel importante na transformação digital da indústria, sendo protagonista em projetos de realidade aumentada, Internet das Coisas, computação em nuvem (cloud computing) e cibersegurança (cyber security). Pelo quarto ano consecutivo, foi incluída no Índice Bloomberg de Igualdade de Gênero, promovendo o compromisso público com a igualdade no local de trabalho. A parceira da startup Vale Automação Industrial foi reconhecida, em 2021, como Líder em Diversidade pela Financial Times por ser bem sucedida na promoção da diversidade, além de compor o ranking das empresas mais sustentáveis do mundo da Corporate Knights.

“A tecnologia e a inovação constituem um novo hub de negócios. A aquisição da Vale Automação Industrial sinaliza para a DMG estar aberta a esses ambientes férteis, nos quais os projetos podem ter maior probabilidade de crescer e interagir entre si”, ressalta Nunes. A mais nova integrante da DMG deve incrementar em torno de R$ 110 milhões em faturamento nos próximos dois anos.

Criada em 2016, a DMG controla cinco empresas. A M.A Soluções em Tecnologia, que possui a mais completa linha de equipamentos de CFTV (Circuito Fechado de Televisão), controle de acesso, alarmes, telefonia, conectividade e energia solar, sendo o maior distribuidor autorizado da Intelbras no Sul do Brasil; a Fiorio Incorporadora (empresa que administra todos os imóveis e aluguéis que compõem o grupo); a Eccogreen (voltada à eficiência energética na implantação de projetos solares); e a Fisiohub (clínica com tecnologia de ponta para fisioterapia centrada na reabilitação física e modalidades terapêuticas para promoção da saúde e bem-estar), todas localizadas em Caxias do Sul.

Negociação entre a holding de Caxias do Sul e a empresa foi de R$ 8 milhões, com a possibilidade de novo aporte para compra no período de dois anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.