Avançar para o conteúdo

Pequenos e médios empresários deixam de ganhar cerca de R$ 10 bilhões por mês

  • por

Investimento de maneira ineficiente é uma das causas, revela XP

“Para o momento, investimentos que os protejam das perdas inflacionárias são boas táticas”, sugere Carmo

A XP entrevistou 900 PMEs e cruzou dados públicos do Banco Central, Sebrae, IBGE, Anbima, entre outras fontes, e concluiu que as PMEs brasileiras têm aproximadamente R$ 1 trilhão de saldo em suas contas – valor parado, aplicado em produtos de investimentos com baixa rentabilidade ou transitando entre recebimentos e pagamentos.

Para o líder regional da XP Inc. no Rio Grande do Sul, Rafael Carmo, o montante que resultaria de boas aplicações poderia auxiliar em gastos recorrentes dos estabelecimentos, como pagar salários e demais despesas, comprar insumos, amortizar dívidas e pagar juros. “No contexto econômico atual, o saldo parado em conta ou mal investido, é sinônimo de dinheiro jogado fora. Guardar e investir de forma resiliente é imperativo para encarar este ano”, analisa o executivo.

Ainda considerando inflação em dois dígitos e Selic em viés de alta, as PMEs também vêm enfrentando uma situação cada vez mais alarmante, em especial quando se considera que, em geral, essas empresas têm bases de custos diversificadas, o que torna sua inflação efetiva invariavelmente maior do que o índice oficial. Para o executivo, a recomendação para as PMEs é que invistam em produtos que conversem com suas necessidades de caixa. “Para o momento, investimentos que os protejam das perdas inflacionárias são boas táticas”.

Na capital gaúcha, a realidade dos pequenos e médios empresários não é diferente do restante do país. Segundo levantamento da divisão de Empresas da XP, Porto Alegre possui mais de 21 mil companhias que se encaixam nesse recorte. “Os últimos dois anos foram muito desafiadores, principalmente para as PMEs, e percebemos que aquelas que contavam com informações e uma orientação financeira qualificada e personalizada conseguiram se sair melhor neste cenário”, avalia.

“É preciso manter um olhar de aprendizado sobre a gestão e buscar constantemente alternativas que contribuam para a solidez do negócio, já que estamos em um processo de retomada. Aproveitar essa fase de planejamento para analisar o caixa, conhecer soluções e repensar estratégias pode ser determinante para modificar os indicadores no balanço do ano”, orienta Rafael, destacando que nunca é tarde para começar.

Quer saber mais sobre investimentos?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Investimento de maneira ineficiente é uma das causas, revela XP

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.